ANJOS, F. C Fábio Cristovão dos Anjos. Tecnologia do Blogger.

Crianças que chupam o dedo e roem as unhas podem ter menos alergias

As crianças adoram colocar a mão na boca. Até 25% delas chupam o dedo ou roem as unhas, mesmo com os pedidos de que não façam isso. Dentistas e dermatologistas alertam que chupar o dedo pode afetar negativamente a saúde das gengivas e levar a condições de pele que aumentam o risco de infecções. Além disso, as crianças que têm o hábito de roer as unhas — que não é muito higiênico, considerando a quantidade de bactérias em nossas mãos — costumam mantê-lo na vida adulta.  
Pesquisadores descobriram que crianças que chupam o dedo ou roem as unhas têm uma probabilidade menor de ter certas reações alérgicas. 
Apesar de tudo isso, em um estudo publicado na revista Pediatrics, pesquisadores do Canadá e da Nova Zelândia descobriram que crianças que chupam o dedo ou roem as unhas têm uma probabilidade menor de ter reações alérgicas a uma variedade de coisas, incluindo animais de estimação e ácaros, do que aquelas que não o fazem. Na realidade, crianças com estes dois hábitos obtiveram o número mais baixo de positividade nos testes de pele para detectar alergias.
Os pesquisadores monitoraram um grupo de cerca de mil pessoas do nascimento até os 32 anos realizando periódicos testes cutâneos de alergia. Embora obter um resultado positivo indicasse que a pessoa era alérgica, ele não necessariamente significava que ela teria reações severas a alérgenos, como erupções na pele, inflamação, espirros ou chiados na respiração.
Cerca de metade das pessoas que não chupava o dedo ou roía as unhas na infância apresentou resultados positivos para alergias aos 32 anos. As crianças com pelo menos um dos hábitos tiveram uma probabilidade 40% menor de obter resultados positivos quando adultos, e as crianças com os dois hábitos mostraram as menores taxas de reações a alérgenos — 31% — quando adultos.
As descobertas apoiam a hipótese da higiene, que afirma que a exposição precoce a bactérias, vírus e alérgenos pode tornar o sistema imunológico mais forte e apto para responder a qualquer ataque microbiano. É possível que os germes que as crianças ingerem ao chupar o dedo ou roer as unhas criem certas populações de micróbios no intestino que podem educar o sistema imunológico e torná-lo pronto para enfrentar ataques de germes menos amigáveis e causadores de doenças.
O estudo não identificou, no entanto, relações entre estes hábitos e condições como asma e rinite alérgica. Este fato foi um pouco surpreendente, mas como o estudo confiou nas pessoas e deixou que elas relatassem seus sintomas de asma, os dados podem não ter sido tão precisos quantos os resultados dos testes cutâneos de alergia. A asma também funciona de uma forma diferente da sensibilização imune, o que significa que qualquer efeito que a exposição aos germes possa ter causado pode ter sido obscurecido por outros fatores de influência.
É importante ressaltar que a pesquisa não sugere que chupar o dedo e roer as unhas sejam boas maneiras de prevenir alergias. “O que estamos dizendo é que não é preciso ter medo de um pouco de sujeira,” diz o Dr. Malcolm Sears, especialista em saúde respiratória da Universidade McMaster, no Canadá, e um dos autores do estudo. Nós não sabemos ao certo o que há na sujeira, como micróbios ou outras substâncias, que pode nos proteger. Ainda não chegamos neste ponto.“ Enquanto isso, ser um pouco menos limpo pode não ser tão ruim para a nossa saúde.
Share on Google Plus

Sobre o autor Fábio Anjos

Biólogo Licenciado em Ciências Biológicas, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA-CE, Licenciatura Plena, 2010. Atualmente exerce a função de educador nível médio no Projeto Travessia na rede Estadual de Ensino, na Escola Estadual Nossa Senhora Auxiliadora e como também na rede municipal de João Alfredo. O mesmo possui Pós-graduação Lato Sensu em Análises Clínicas pela Faculdade Frassinetti do Recife-FAFIRE-PE, 2012. Cursando mestrado, pela Faculdade Norte do Paraná, no curso de Ciências da Educação e Multidisciplinaridade e cursando espanhol pela Universidade de Pernambuco.
    Comente
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário