ANJOS, F. C Fábio Cristovão dos Anjos. Tecnologia do Blogger.

Mariana Ximenes fala sobre sua versão de Tancinha: “Ela tem uma sensualidade que aflora sem querer”

(Foto: AgNews)
Semana agitada para Mariana Ximenes. A atriz volta hoje às novelas com “Haja coração”,releitura de “Sassaricando” (1987) que ocupará a faixa das 19h na Rede Globo, e, na quinta-feira (2), estreia nos cinemas o longa-metragem “Uma loucura de mulher”, onde trabalhou como protagonista e produtora. “Duas estreias, uma seguida da outra! Haja coração!”, riu a estrela de 35 anos, durante entrevista ao Yahoo.
No folhetim escrito por Daniel Ortiz, Mariana tem um desafio e tanto pela frente: calçar os sapatos, ou melhor, tamancos que um dia foram de Cláudia Raia, na versão original da novela. “É uma força-tarefa, na qual todos pensaram muito para criar um novo personagem, com os mesmos trejeitos. Ela ainda é uma feirante, mas é uma história nova agora,na qual ela é a mocinha da trama, o que já é diferente de antes”, avalia a atriz, que diz ter ganhado a bênção da primeira intérprete de Tancinha.
Já no longa-metragem que marca a estreia de Marcus Ligocki Jr. na direção, Mariana vive Lúcia, a esposa de Gero (Bruno Garcia), um político corrupto que acaba deixando o casamento para segundo plano em relação à sua carreira profissional. “É quando ela resolve dar um tempo no casamento, e viaja ‘para pensar’”, explica a atriz sobre a trama. “Mas tudo com muita leveza, humor e com o pano de fundo da política”, acrescenta.
Abaixo, Mariana fala sobre desempenhar o papel duplo de protagonista e atriz em uma comédia, revela mais sobre o que o público pode esperar de sua versão para Tancinha, comenta o cenário político do Brasil e ainda conta o que faz para se manter fiel à própria essência.
Yahoo: Como foi trabalhar como produtora e atriz principal em “Uma loucura de mulher”?
Mariana Ximenes: Ser produtora é se envolver em todos os processos de realização do projeto. E isso é muito interessante porque vemos e entendemos cada pessoa que vai se agregando para realizar um desejo coletivo. Eu pude participar um pouquinho de tudo o que aconteceu, desde a ideia do filme até o lançamento. Mas quando estou no set, foco completamente como atriz - não dá para dividir a cabeça com as duas coisas. Por isso, eu tenho uma equipe maravilhosa.
Y: O que a atraiu nesse roteiro a ponto de fazer com que você desempenhasse esse trabalho duplo?
MX: Falar de uma mulher contemporânea, de 30 anos, falar sobre relacionamentos e ter humor. É algo que eu faço pouco e resolvi aprender a fazer. Não é fácil! Admiro muito quem sabe fazer.
Y: No longa, a Lúcia volta ao Rio de Janeiro para se conectar com a sua essência. Como você, depois de tantos anos sob os holofotes, se mantém fiel a essa parte de si mesma?
MX: Eu busco muito disso no silêncio, em estar envolvida com a minha família, com os meus amigos. Também adoro dar um mergulho no mar! Toda vez que estou meio cansada ou triste, um mergulho no mar cura tudo. É a sorte de morar no Rio de Janeiro, né? Sou paulista, mas moro aqui há 17 anos, então posso dar uma fugidinha às vezes e dar um ‘tchibum’ rápido.
Y: O filme usa a política nacional como plano de fundo para a história de um relacionamento. O que você acha sobre o momento político atual do Brasil?
MX: É um momento muito complicado, mas, para resumir, acho que devemos ser a favor da democracia.
Y: Como tem sido a sua composição para a Tancinha? O que ela terá de diferente? E qual foi a reação de Cláudia Raia ao saber que você interpretaria a personagem?
MX: Hoje, inclusive, almocei com ela (Cláudia Raia) para ganhar a bênção - ela já tinha até dado, mas é só para reforçar antes da estreia. Na verdade, o que a gente combinou é que eu vou fazer a minha Tancinha. E eu digo minha, mas na verdade é nossa, porque é minha, do Frederico Mayrink (diretor), do Daniel Ortiz (autor), da Alessandra Barrios(figurinista) e doMarcelinho Dias (caracterizador). É uma força-tarefa, na qual todos pensaram muito para criar um novo personagem, com os mesmos trejeitos. Ela ainda é uma feirante, mas é uma história nova agora, com a Tancinha como mocinha da trama, o que é diferente de antes.
Y: A Tancinha é descrita como uma mulher muito sexual e que atrai muito o olhar dos homens que passam pela feira. Acha que, por se tratar de uma releitura contemporânea, a novela abordará a questão do assédio à mulher?
MX: Eu não diria sexualidade. Diria que ela é mais selvagem e sensual, sem perceber que o é. Não é algo que passa pelo sexual. Mas, olha, o tom da novela é tão leve, que penso que não. Ela não é sexy, apenas tem uma sensualidade que aflora sem querer. Então, acredito que só ocorra se houver muita maldade das pessoas.
Y: Por falar nesse tema, o que você pensou, como mulher, sobre o recente caso de estupro coletivo que aconteceu no Rio de Janeiro?
MX: É um absurdo! Um absurdo. O que precisa mudar é o machismo no Brasil.
Share on Google Plus

Sobre o autor Fábio Anjos

Biólogo Licenciado em Ciências Biológicas, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA-CE, Licenciatura Plena, 2010. Atualmente exerce a função de educador nível médio no Projeto Travessia na rede Estadual de Ensino, na Escola Estadual Nossa Senhora Auxiliadora e como também na rede municipal de João Alfredo. O mesmo possui Pós-graduação Lato Sensu em Análises Clínicas pela Faculdade Frassinetti do Recife-FAFIRE-PE, 2012. Cursando mestrado, pela Faculdade Norte do Paraná, no curso de Ciências da Educação e Multidisciplinaridade e cursando espanhol pela Universidade de Pernambuco.
    Comente
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário