ANJOS, F. C Fábio Cristovão dos Anjos. Tecnologia do Blogger.

O golpe será televisionado: considerações pré-impeachment


ScreenHunter_5993 Jul. 11 09.36



Eventual impeachment da presidente está em todos os jornais e revistas, parece que eles sabem de algo que você ainda não sabe: a presidenta vai cair?



Por Miguel do Rosáriodo Tijolaço 



Há alguns anos, o vídeo “A revolução não será televisionada” se tornou um sucesso clandestino de internet. Digo clandestino porque as tvs abertas brasileiras nunca o exibiram. 



Nem a a TV pública federal, que eu me lembre, o exibiu, ou pelo menos não lhe deu destaque, o que é, para mim, mais uma prova da falência e covardia da comunicação governamental. 



Falência e covardia que hoje estão cobrando um preço altíssimo. 



O preço é o risco de um golpe de Estado. 



Um golpe camuflado, como todos os golpes, de cores institucionais. 



Enquanto Dilma participa de encontros importantes no exterior, a imprensa brasileira continua bombardeando o governo, o PT, Lula, Dirceu, e preparando o terreno para um eventual impeachment. 



Vários leitores falam em “alarmismo” da minha parte. 



Como assim, alarmismo? 



Pegue a mídia deste sábado: está inteiramente dedicada ao impeachment. 



O editorial da Folha tenta chancelar a farsa política de que doação eleitoral para um candidato é propina, para outro, amor. Essa é uma das pedras de toque do golpe. 



Ainda na Folha, há uma coluna do Demetrio Magnoli falando que o impeachment é (sim, acredite, ele fala isso) a melhor saída para Lula. 



Magnoli praticamente dá o governo como encerrado. 



Na coluna Painel, principal seção de política da Folha, vemos a seguinte notinha ameaçadora: 


 


Ora, se as marchas golpistas foram grandes quando não se viam chances de impeachment, agora que as lacunas já foram preenchidas (TCU, TSE, Lava Jato), não me surpreenderia se forem ainda maiores. 



Sem contar que a mídia brasileira novamente se encarregará de organizá-las, com ajuda do governo de São Paulo, que chegou até mesmo a liberar as catracas do metrô. 



Não podemos esquecer: o golpe de 64 foi precedido por enormes marchas, patrocinadas exatamente pelos mesmos jornais de hoje, e com apoio também de alguns governadores: Ademar de Barros, em São Paulo; Lacerda, no Rio. 



As marchas atuais, a meu ver, são piores que as de 64, porque são muito mais agressivas, e o poder da mídia, hoje, é muito superior ao dos anos 60, quando sequer havia TV. 



Na semana passada, a capa da Época, que pertence à Globo, traz o rosto estilizado de Sergio Moro, sob o título demolidor: “Nada vai pará-lo”, e diz que Moro fará uma “revolução”. A desta semana, traz os rostos da “guarda do palácio” de Dilma: Renan, Cunha e Temer. 



O Palácio parece tratar o tema com a soberba de sempre. Dilma reage com uma entrevista à… Folha, ou seja, empoderando o mesmo jornal que lidera as articulações para o impeachment. 



A imagem que abre o post está fixa na seção política da Folha há vários meses. 



Nada contra a presidenta dar entrevista à Folha, e sim contra ela dar entrevista apenas à Folha. 



Por que a presidenta não participa de programas na TV Brasil, não dá entrevistas ao Brasil de Fato, à Carta Capital, à Carta Maior, à qualquer órgão de comunicação que não faça parte da conspiração golpista? 



Há alguns meses, Dilma deu entrevista a… Globo. Mais especificamente, a Jô Soares, às três horas da manhã. 



Em seguida, Jô Soares foi ameaçado de morte, e a própria Globo não fez nenhum editorial, nenhuma campanha, em defesa de seu apresentador. 



A impressão é que Jô Soares entrevistou uma guerrilheira clandestina, e não a presidenta eleita com 54 milhões de votos. 



A questão da soberania popular foi abafada pelas pesquisas, dominadas, mais uma vez, pela mídia: Datafolha (Folha) e Ibope (Globo). 



Que tipo de pergunta se faz numa pesquisa? 



Apenas por amor ao debate, digamos que tivéssemos a seguinte situação. 



Digamos que, num outro universo, o Fantástico reproduzisse aquele vídeo em que um senador aparece cambaleante numa choperia de Copacabana, distribuindo notas de cem reais aos garçons. Nos dias seguintes, aparecessem matérias investigativas sobre a apreensão do helicóptero com meia tonelada de pasta de cocaína, pertencente a um outro senador, amigo daquele mesmo senador bêbado do Fantástico. 



Finalizando a semana, imaginemos que o mesmo senador continuasse sob alvo da imprensa, através de matérias sobre a construção de um aeroporto em terras de sua família. 



Aí, na semana seguinte, um respeitado instituto de pesquisa fizesse perguntas aos brasileiros sobre o mesmo senador. 



Como estaria a sua popularidade? 



Todas as acusações que se faziam, durante a campanha de 2014, contra o PT e Dilma, continuaram sendo feitas após as eleições. 



As acusações contra o PSDB, não. Sumiram do noticiário, como que por mágica. 



Quando falamos em golpismo e campanha contra o governo, não quer dizer, em absoluto, que não vemos os erros políticos do governo e do PT. 



Também não significa que fechamos os olhos à corrupção. 



Claro que houve corrupção no governo e nas estatais. Sempre houve. A diferença é que antes, em função do forte aparelhamento do Estado pela direita que governava o país, não havia investigação. 



Hoje há investigação, mas o problema é que a mesma direita continua aparelhando o Estado, e só quer investigar um lado, ou pior, manipula as investigações para produzir um circo midiático. 



Não se vence a corrupção com um golpe de Estado! Nem tampouco através de investigações políticas, prisões ilegais, e conspirações midiático-judiciais! 



Até para isso serviria uma comunicação mais democrática: para que a população ajudasse o governo a monitorar de perto a gestão dos grandes projetos de infra-estrutura, onde, naturalmente, se concentram os grandes desvios de dinheiro público, pela razão lógica e simples de que é aí onde está o grosso do dinheiro. 



Dilma está lá na Rússia, dando entrevistas à TV estatal russa. 



Mas não dá entrevistas à TV estatal brasileira. 



Segundo o republicanismo do PT, a presidenta, quando no exterior, pode dar entrevista para quem quiser. Aqui no Brasil, só para Globo e Folha. 



Os assessores de imprensa de quase todos os ministros são jornalistas licenciados da Folha, Veja, Globo, Estadão, etc. Ou então casados com jornalistas dessas empresas. 



Um colega nosso cumprimentou a entrevista de Dilma à Folha dizendo que, se ela fizesse de outra maneira, estaria pregando para “convertidos”. 



Que convertidos? 



Estaria se referindo a seus 54 milhões de eleitores? 



Ué, se houvesse 54 milhões de “convertidos”, a popularidade de Dilma seria minimamente parecida a seu eleitorado, não? 



Ah, tá. Esqueci que o eleitorado de Dilma não conta. É como se nunca tivesse existido. 



Os 54 milhões de brasileiros que votaram em Dilma desapareceram. Emigraram para outro país. 



Refugiaram-se em outra dimensão. 



Dilma tem de governar apenas para os eleitores do PSDB e dar entrevistas apenas para o público tucano? 



Televisão aberta, nem pensar, né? Na TV aberta, só Eduardo Cunha, que falará ao país no dia 17 de julho, ocupando mais essa lacuna deixada pela presidenta. 



Se Dilma falar na TV correria o risco de atingir o eleitorado petista, esses malditos 54 milhões de eleitores, o que não pode acontecer, né?

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/07/o-golpe-sera-televisionado.html
Share on Google Plus

Sobre o autor Fábio Anjos

Biólogo Licenciado em Ciências Biológicas, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA-CE, Licenciatura Plena, 2010. Atualmente exerce a função de educador nível médio no Projeto Travessia na rede Estadual de Ensino, na Escola Estadual Nossa Senhora Auxiliadora e como também na rede municipal de João Alfredo. O mesmo possui Pós-graduação Lato Sensu em Análises Clínicas pela Faculdade Frassinetti do Recife-FAFIRE-PE, 2012. Cursando mestrado, pela Faculdade Norte do Paraná, no curso de Ciências da Educação e Multidisciplinaridade e cursando espanhol pela Universidade de Pernambuco.
    Comente
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário