ANJOS, F. C Fábio Cristovão dos Anjos. Tecnologia do Blogger.

Carta escrita por Albert Einstein é encontrada em colégio de Porto Alegre

A escola recebeu uma carta e uma foto exclusiva feita pelo fotógrafo Marcel Sternberger
Uma relíquia histórica encontrada no fundo de um pesado cofre na sala da direção de uma escola, em Porto Alegre, vem animando os alunos e alimentando a curiosidade sobre física. Ninguém menos que Albert Einstein assinou e datilografou a carta com uma mensagem endereçada aos estudantes do Colégio Anchieta, tradicional escola porto-alegrense. 
Datada de 24 de junho de 1951, a correspondência foi trazida a Porto Alegre pelo então diretor e padre Gaspar Dutra, que passava uma temporada de estudos nos Estados Unidos. Naquele dia, o brasileiro teve um encontro com o célebre físico alemão na Universidade de Princeton, na cidade norte-americana de Nova Jersey.
"Quem conheceu a alegria da compreensão conquistou um amigo infalível para a vida. O pensar é para o homem, o que é voar para os pássaros. Não toma como exemplo a galinha quando podes ser uma cotovia", escreveu Einstein, em alemão, endereçando aos "estudantes do Colégio Anchieta". A  carta chegou ao Brasil acompanhada de uma foto exclusiva feita pelo fotógrafo Marcel Sternberger.
Para redimir quaisquer dúvidas, uma grafologista foi contratada e acabou verificando a autenticidade do documento, ao comparar a assinatura contida na carta com uma amostra cedida pelo Instituto Oswaldo Cruz, o qual Einstein visitou na década de 1920. 
A carta estava guardada há décadas em um cofre com documentos antigos na sala da direção do colégio. Durante as comemorações de aniversário, um antigo diretor esteve presente e comentou a existência da correspondência. O cofre foi aberto, vasculhado e, para a surpresa de todos, lá estava a relíquia.
Divulgação
A correspondência foi entregue ao então diretor da escola e padre Gaspar Dutra
"Esta carta é um artefato histórico, que acabou sendo resgatado durante nossas comemorações de 125 anos do colégio. Esse marcante cientista já tinha essa consciência do seu trabalho, da relevância social que ele possuía. Hoje percebemos que é uma característica de quem tem uma visão de mundo diferente. E é isso que queremos", afirma o coordenador de ensino da instituição, Dário Schneider.
O professor se emociona ao comentar as palavras de um dos maiores físicos de todos os tempos, pai de um dos pilares da física moderna: a Teoria da Relatividade. "'Não toma como exemplo a galinha quando podes ser uma cotovia.' Isso é de grande sensibilidade. É realmente o olhar a vida de uma maneira mais ampla, de uma dimensão de quem compreende o ser humano como detentor de um grande potencial. A escola é um meio para alcançar conhecimento, e nessa frase Einstein nos aponta essa direção. A gente deve olhar aquilo que se aprende não para a escola, unicamente, mas para abrir horizontes de vida", explica Schneider.

Inspiração para as aulas de física


Entre os alunos, a descoberta da carta também gerou entusiasmo. A figura do cientista descabelado por si só já é simpática. Porém, quando os alunos do ensino médio começaram a ter contato com as teorias de Einstein, a proximidade do criador através da carta gera uma empatia e cumplicidade ainda maiores. 
"Essa descoberta está sendo muito inspiradora. Conversando com um colega sobre a carta, até decidimos apresentar um experimento de física na feira de ciências. Fiquei muito feliz em saber que nossa escola é reconhecida por gente como Einstein", diz o estudante da 2ª  série do ensino médio, Pedro Henrique Giuberti, 16 anos.
"Eles estão encantados. Creio que esse fato encoraje a termos mais cientistas. Isso me alegra. Einstein servirá de referência. Devemos estimular nossos estudantes a fazerem a diferença", aponta Schneider. O professor resume a importância do gesto do cientista para gerações de estudantes da escola. "O que eu faço é pequeno, mas se torna grande porque tem amor. E é esse amor capaz de transformar a sociedade."
Share on Google Plus

Sobre o autor Fábio Anjos

Biólogo Licenciado em Ciências Biológicas, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA-CE, Licenciatura Plena, 2010. Atualmente exerce a função de educador nível médio no Projeto Travessia na rede Estadual de Ensino, na Escola Estadual Nossa Senhora Auxiliadora e como também na rede municipal de João Alfredo. O mesmo possui Pós-graduação Lato Sensu em Análises Clínicas pela Faculdade Frassinetti do Recife-FAFIRE-PE, 2012. Cursando mestrado, pela Faculdade Norte do Paraná, no curso de Ciências da Educação e Multidisciplinaridade e cursando espanhol pela Universidade de Pernambuco.
    Comente
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário