ANJOS, F. C Fábio Cristovão dos Anjos. Tecnologia do Blogger.

Obesidade: barriga dura é a mais perigosa e pode matar

A gordura visceral é provocada, principalmente, por estresse

Quem não se incomoda em ver um "pneuzinho" se formando na cintura? Mas, acredite, essa gordurinha mole, armazenada embaixo da pele, não faz tão mal à saúde quando está em níveis controlados. A mais perigosa é a barriga "dura", como é identificada a gordura visceral, que fica entre os órgãos. Hoje, no Dia Mundial do Combate à Obesidade, vale o alerta: além de ser mais difícil de eliminar, a "barriga dura" compromete o funcionamento dos órgãos, eleva a pressão e pode matar.

Em entrevista ao Bom Dia Espírito Santo, o clínico geral Jorge Miranda explicou que a gordura visceral fica acumulada entre as vísceras, aperta órgãos como o fígado e o estômago, por exemplo, e está diretamente relacionada ao risco de doença cardíaca. "Ela aumenta a pressão arterial, provoca diabetes e também altera os hormônios, principalmente a testosterona (responsável por aumento da massa muscular, massa óssea e o crescimento de pelos no corpo)", afirma.
Publicidade
Identificando
A gordura visceral é aquela famosa "barriga de chope", bem mais dura que a gordura subcutânea (sob a pele). Mas, na verdade, a dureza da barriga não tem ligação com a bebida alcoólica. "A barriga fica dura porque a gordura é produzida e armazenada entre os órgãos. Quando não há mais espaço, ela empurra toda a parede muscular do abdômen para fora. Por isso, você aperta e não sente flacidez", explica o médico.
Além disso, a gordura visceral funciona no corpo como um órgão à parte. "Ela produz uma proteína chamada adipocina, que altera todo o metabolismo da pessoa: principalmente aumentando a resistência à insulina, ou seja, a pessoa tem insulina no organismo, mas a substância não age como deveria no controle dos níveis de açúcar no sangue", alerta.
A predominância desse tipo de gordura mais perigosa é nos homens, por isso eles costumam ficar mais "barrigudos" com o passar do tempo e também têm mais chances de doenças cardiológicas. O médico diz que é uma gordura provocada predominantemente pelo estresse.
"Ela é produzida pelo cortisol, o hormônio do estresse. Isso também explica a origem dessa gordura: na pré-história, quando o homem vivia sob estresse intenso, sem saber quando teria alimento, o cortisol produzia e reservava gordura dentro do corpo. Por isso essa gordura está diretamente ligada ao estresse, à falta de sono, à falta de atividade física. É uma herança".
Efeitos
Além do efeito mecânico – empurrar os órgãos -, a gordura afeta os vasos sanguíneos, por ser inflamatória. "Ela inflama as artérias. Por consequência, o colesterol tenta fazer uma 'operação tapa-buraco' para resolver o problema. Resultado: o colesterol leva a culpa por entupir as artérias, mas ele estava tentando curar a inflamação provocada pela gordura visceral", afirma.
E para se livrar da barriga dura não há outra saída: é preciso queimá-la, ou seja, praticar atividade física. "Correr, caminhar, nadar. Temos que nos mexer ao máximo, até esgotar esse excesso. Além disso, ter sono de qualidade e alimentação saudável".
Já a barriga mole, com a gordura acumulada logo abaixo da pele, traz riscos menores, relacionados à sobrecarga da coluna, das articulações e do joelho. "Em níveis pequenos, sem sobrepeso, ela é positiva, pois serve como reserva de energia para tarefas do dia a dia". (Com informações da TV Gazeta)

Share on Google Plus

Sobre o autor Fábio Anjos

Biólogo Licenciado em Ciências Biológicas, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA-CE, Licenciatura Plena, 2010. Atualmente exerce a função de educador nível médio no Projeto Travessia na rede Estadual de Ensino, na Escola Estadual Nossa Senhora Auxiliadora e como também na rede municipal de João Alfredo. O mesmo possui Pós-graduação Lato Sensu em Análises Clínicas pela Faculdade Frassinetti do Recife-FAFIRE-PE, 2012. Cursando mestrado, pela Faculdade Norte do Paraná, no curso de Ciências da Educação e Multidisciplinaridade e cursando espanhol pela Universidade de Pernambuco.
    Comente
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário